14 setembro 2011

ECG: MÓDULO I PRINCIPIOS BÁSICOS



O POTENCIAL DE AÇÃO DO CORAÇÃO:

         A célula cardíaca , pela mudança de concentração iônica, gera um potencial de ação elétrico que vai se propagar por todas as células.
         No estado basal ,ou de repouso , o potencial de ação é de –90mv, com a abertura dos canais de Na+ este potencial vai se tornando cada vez mais positivo com a entrada dos ions positivos de Na+ permitindo a liberação de cálcio do retículo sarcoplásmático que vai viabilizar a contração da fibra cardíaca.
         Para se recuperar e voltar ao estado basal ,a célula, através da saída de íons de K+, volta ao seu estado inicial de negatividade.


         O processo de saída do estado basal (negativo) para o de ação (positivo)é chamado de despolarização e seu retorno ou recuperação do estado basal de negatividade é chamado de repolarização
         Este processo gera uma carga eltromagnética que é um vetor com direção, sentido e magnitude.O vetor vai ser percebido pelo aparelho de eletrocardiograma que nada mais é do que um galvanômetro,ou seja , um aparelho que pode sentir as diferenças de cargas eletromagnéticas alterando o movimento de sua agulha de inscrição par cima (quando o vector vai em direção ao polo positivo) e para baixo da linha de base (quando o vetor vai em direção ao polo positivo)




O DIPOLO ELÉTRICO:
         Cada célula cardíaca , para efeito teórico , vai funcionar como um coração isolado. Cada destes ”corações” vai ter seu processo de despolarização e repolarização gerando seu vetor que terá dois pólos o negativo e o positivo ,a direção do vetor ,por convenção, é sempre do polo negativo para o positivo.
         Esse vetor vai ser percebido por um ponto de observação, quando ele for em direção a este ponto a inscrição do eletro é uma onda positiva ( ou seja ,para cima da linha de base) quando for na direção oposta (se afastando) a inscrição será uma onda negativa(para baixo da linha de base).





O SISTEMA DE CONDUÇÃO CARDÍACO:
         O coração não se ativa todo de uma vez só, esta ativação é iniciada no chamado nódulo sinusal que se localiza no teto do átrio direito ,próximo a entrada da veia cava superior , sendo conduzido pelo átrio e sofrendo um alentecimento antes de descer em direção aos ventrículos em um local chamado nódulo átrio-ventricular.Este alentecimento é essencial para impedir que átrio e ventrículo contraiam juntos. Após isto o estímulo desce pelos ventrículos através de um sistema especializado de condução ,diferente do músculo cardíaco, chamado Hiss-purkinje ,finalmente alcançando a musculatura ventricular.



AS ONDAS DO ELETROCARDIOGRAMA:
         A passagem do estímulo elétrico por cada parte do tecido de condução gera ondas específicas de cada local. Estas ondas é que serão analizadas no eletrocardiograma nos permitindo
“ver” como cada parte do coração é ativada.
A ONDA P:É a onda que representa a ativação atrial , tendo a forma de um sino.Como é o primeiro local do coração a ser ativado é a primeira onda a ser vista .Esta onda é quem vai iniciar o ciclo elétrico cardíaco dando o ritmo ao coração pois toda a ativação restante vai ser comandada por ela . Assim ao ritmo normal do coração é dado o nome de ritmo sinusal(onda em forma de sino).
         O INTERVALO PR:É a representação da pausa que existe no nódulo átrio ventricular ocorrendo logo após a onda P e sendo seguida pelo complexo QRS.
         O COMPLEXO QRS:É a onda mais complexa ,por ter várias fases ,já que representa a despolarização da maior câmara cardíaca –o ventrículo.Os seus componentes tem uma nomenclatura específica e são:
- ONDA Q- É a primeira onda negativa a aparecer.
- ONDA R-  É a primeira onda positiva aparecer.
- ONDA SÉ a Segunda onda negativa a aparecer. 
- ONDA R’-  É a Segunda onda positiva a aparecer.(só costuma aparecer em situações especiais que serão descritas mais adiante).
         A ONDA T:É a onda que representa a repolarização ventricular vindo logo após o QRS.
         O INTERVALO QT: Representa o tempo entre o início do QRS e o final da onda T.
         O SEGMENTO ST: Vai do final do QRS ao inicio da onda T.







MEDIDAS DO NORMAL:
         Todas estas ondas e intervalos tem duração e amplitude específicos que representam a sua normalidade:

ONDA P- dur.-0,08-0,11sec/amp.-0,25mv
INTERVALO PR-dur.-0,12-0,20 sec.
COMPLEXO QRS-dur-0,06-0,10.sec/amp.-Q-<4mm/R-<25mm
                                                                   -S-<20mm.
ONDA T-amp.0.5-12mm
SEGMENTO ST-desnivelo <1mm
INTERVALO QT-dur.0,35-0,44 sec(na mulher a duração é maior. Varia com a frequência cardíaca).
FREQUÊNCIA CARDíACA:entre 50 e 100 bpm.



 Morfologia do QRS:



About ""

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Vivamus suscipit, augue quis mattis gravida, est dolor elementum felis, sed vehicula metus quam a mi. Praesent dolor felis, consectetur nec convallis vitae.

Postar um comentário

 
Copyright © 2013 MedGeek
Design by FBTemplates | BTT